PARTICIPA! ENVIA AS TUAS DENÚNCIAS PARA porto@pctpmrpp.org
Quinta-feira, 29 de Junho de 2006

Como era de prever, na torre 2 do Aleixo, avaria-se o elevador

A Direcção da Associação de Promoção Social da População do Bairro do Aleixo (APSPBA) emitiu o comunicado que se segue sobre a situação actual dos Elevadores do bairro do Aleixo, o qual reproduzimos na íntegra.

COMUNICADO

Passaram já alguns meses desde que a APSPBA, depois de várias tentativas junto da autarquia portuense e da Empresa Municipal, denunciou aos órgãos de comunicação social a situação caótica dos elevadores da 1ª torre deste bairro.

Com efeito, desde 17 de Abril que os moradores da 1ª torre se encontram sem elevadores, sem que a Câmara Municipal do Porto tivesse tomado alguma medida no sentido de resolver o problema que afecta a todos, mas em particular provoca enormes constrangimentos aos idosos e doentes.

Perante insana atitude da Câmara Municipal do Porto, que desculpando-se no vandalismo teima em resolver este gravíssimo problema, a Direcção da APSPBA apresentou queixa ao Provedor de Justiça, aguardando para o efeito uma tomada de posição, além de ter exposto a situação à Assembleia da República, ao Governo Civil do Porto e à Assembleia Municipal.

Acontece, porém, que também agora situação idêntica se passa na 2ª torre. Também na 2ª torre a empresa de manutenção dos ascensores responsável parou o elevador pequeno devido ao estado em que se encontram algumas portas, em diferentes pisos. Os moradores da 2ª torre têm apenas em funcionamento, 24 horas por dia, o elevador grande (monta cargas) o que significa que acontecerá aos elevadores da 2ª torre o mesmo que sucedeu aos elevadores da 1ª torre se a Câmara do Porto não tomar já medidas concretas que resolvam o problema.

Aliás, aquilo que agora acontece no elevador pequeno da 2ª torre desmente as acusações de vandalismo apontadas pela Câmara Municipal para justificar o facto dos elevadores estarem parados na 1ª torre. Na verdade, aquilo que aconteceu na 1ª torre está a acontecer na 2ª, daí que o argumento do vandalismo caia por terra. O que se passa tem a ver apenas com a deficiente qualidade dos materiais empregues nestes elevadores! Senão como compreender que estes problemas, que a corrosão do material não se coloque nas restantes 3 torres do Aleixo? A resposta é simples! A empresa responsável pela construção das portas e sua montagem é outra, daí que assim se entendam que o material utilizado apresente tantos problemas ao fim de poucos anos. O material empregue não é adequado nem ao tipo de utilizador, nem ao tipo de edifício. Só a Câmara do Porto não vê isso, porque para o Aleixo qualquer coisa serve e, de preferência, serve o mais barato!

Nesse sentido, informamos a Câmara Municipal sobre a situação dos elevadores da 2ª torre, na expectativa de obter a resolução deste caso. Contudo, até ao momento, pelo contactos que já efectuamos junto da Empresa Municipal não auguramos nada de positivo. O mais certo será que os moradores da 2ª torre passarão a contar com apenas um elevador - o elevador grande - até que este avarie e deixe de funcionar. Nessa altura acontecerá aos moradores da 2ª torre aquilo que já sucede aos moradores da 1ª torre. Ficarão sem elevador, ficarão reféns em suas casas.

Não podemos esquecer, embora pareça que a Câmara Municipal do Porto já esqueceu, que o problema da 1ª torre encontra-se ainda sem solução.

Os moradores idosos e doentes da 1ª torre encontram-se sitiados em suas casas, no andares superiores e ninguém faz absolutamente nada para contrariar esta situação.

Apelamos aos órgãos de comunicação social para que denunciem esta triste realidade. Denunciem a tortura sistemática a que os moradores idosos do Aleixo são sujeitos diariamente por um Executivo Camarário sem alma, sem consciência e que não respeita as pessoas.

Os moradores do Aleixo, mormente os idosos e os doentes, que habitam nos andares superiores são torturados e discriminados, visto que para este Executivo quem mora no Aleixo não é tratado de forma idêntica aos demais inquilinos municipais. Somos diferentes em direitos, mas iguais em deveres, visto que a reclamação dos elevadores não é atendida, porém vão aumentar as rendas com a actualização que está em curso.

Deixamos aqui mais um grito da alerta e desespero, esperamos que pelo menos a Comunicação Social nos ouça e faça eco das nossas lamentações.

Com os melhores cumprimentos, ao V. inteiro dispor, somos,

A Direcção da APSPBA
 

publicado por portopctp às 14:17
link do post | comentar | favorito

.ligações

.posts recentes

. Viva o 1.º de Maio!

. Aos jovens

. Soares da Costa, ousar lu...

. Mulheres: uma metade do m...

. INÉRCIA - Palavra-chave t...

. Honra aos camaradas Ribei...

. 18 de Setembro de 1970

. Prosegur - a luta de clas...

. Casino da Póvoa de Varzim...

. Agrupamento de Escolas de...

. Bairros do IHRU de Guimar...

. STCP – Eutanásia empresar...

. Valadares - épreciso ganh...

. Transportes: resistência ...

. Não ao isolamento de Vila...

. A habitual falta de vergo...

. O desejo que tudo se esqu...

. A greve geral é parte ínt...

. SINDICALIZA-TE

. Carta aberta ao president...

. Casa do Povo de Recarei (...

. A demolição da escola pri...

. A novela das portagens da...

. Contra o pagamento de por...

. Vila d'Este - autarquias ...

. A intransigência habitual...

. Maconde: os restos...

. A intransigência habitual...

. SCUT's: a intransigência ...

. Pequenas coisas, uma gran...

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.mais sobre mim

.assuntos

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds