PARTICIPA! ENVIA AS TUAS DENÚNCIAS PARA porto@pctpmrpp.org
Quinta-feira, 5 de Novembro de 2009

A esperança esteia-se na Luta!

Aos trabalhadores da Qimonda:

Muitos têm visto como inevitável o desfecho que agora se desenha para os trabalhadores daquela que era, há bem menos que um ano, a menina dos olhos da tão propalada “modernização do aparelho produtivo nacional”.
Outros tecem encómios aos “esforços” que, daqui e dali, vão surgindo para “resolver o problema”. Mas todos percebem que esses “esforços”, surgindo de onde surgem, visam apenas comprar a complacência dos trabalhadores para o desastre que foi preparado e que agora se desenrola.
Se tais posições são vulgares, é porque não passam de simples reflexos de uma ideia central que vos é repetida incessantemente: “a culpa é da crise, ponto”. Com essa ideia eximem-se das próprias responsabilidades ao mesmo tempo que vão construindo o edifício ideológico da inacção e da submissão a uma “inevitabilidade incontrolável por mão humana”.
Dos cerca de 2000 trabalhadores de há nove meses na Qimonda, restam agora apenas 378 – 239 em laboração e 139 em lay off por mais seis meses. Some-se miséria e uma aparente acalmia social e temos o retrato da situação. Primeiro foram os sub-contratados, depois os contratados a prazo, de seguida uma metade arbitrária daqueles que, segundo a administração, “pertenciam a agregado familiar onde existiam outros rendimentos para além de um salário da Qimonda”, agora a outra metade, tudo salpicado por rescisões “voluntárias” daqueles que ou encontraram um novo emprego ou foram iludidos pelos acenos de uma indemnização em circunstâncias de total desesperança. Em 9 meses, 1600 despedimentos em fatias e acicatando diferenças entre os trabalhadores para que não se faça sentir qualquer resistência ou que esta fique contida em formas “aceitáveis”.
Pelo que se vê, a estratégia capitalista, coordenada pelo governo, surtiu efeito. E, para melhor dourar a pílula, a eventual retoma da produção a realizar daqui a um ano com a readmissão de cerca de 400 trabalhadores, somando um total de 770, é apresentada como promessa aos trabalhadores e plano de recuperação à sociedade. Na verdade, tal plano não passa de uma salvaguarda dos interesses próprios dos capitalistas que querem assegurar o abastecimento em mão-de-obra em caso de necessidade e, ao mesmo tempo, liquidar qualquer outra solução que não vá ao encontro dos seus interesses mesquinhos. Nada tem a ver com uma cedência aos interesses dos trabalhadores como a existência de uma promessa aos mesmos faria crer. É mais uma insídia da administração e do governo.
Tudo isto se passa depois de muitos milhões oferecidos pelos sucessivos governos e pela câmara à Qimonda (ou às antecessoras) em isenções fiscais, em subsídios e em terrenos, dos quais, os últimos 100, há menos de um ano.
Nesta situação o governo ainda quer parecer que muito se movimenta, mas nada faz do que seria de fazer: exigir da Qimonda ou a manutenção de todos os postos de trabalho ou a devolução dos benefícios oferecidos para serem utilizados na reconversão da empresa, entretanto nacionalizada, para outras produções.
Por isso o PCTP/MRPP considera inteiramente justo que os trabalhadores da Qimonda se batam pela nacionalização da empresa e pelo impedimento dos despedimentos.
Por isso o PCTP/MRPP defende que os trabalhadores nunca devem alimentar ilusões e que devem exigir o pagamento, pelo Estado, do valor integral do salário por todo o tempo em que se venham a encontrar desempregados ou em lay off a começar, desde já, para todos aqueles que foram dispensados.
Esta a forma de firmar a esperança: lutando.
.  
OUSAR LUTAR, OUSAR VENCER!
PAGAMENTO DO VALOR DO SALÁRIO POR TODO O TEMPO EM QUE O TRABALHADOR SE ENCONTRE DESEMPREGADO!
O POVO VENCERÁ!

 
5 de Novembro de 2009
                                                               Org. Reg. do Norte do PCTP/MRPP
publicado por portopctp às 06:10
link do post | comentar | favorito

.ligações

.posts recentes

. Viva o 1.º de Maio!

. Aos jovens

. Soares da Costa, ousar lu...

. Mulheres: uma metade do m...

. INÉRCIA - Palavra-chave t...

. Honra aos camaradas Ribei...

. 18 de Setembro de 1970

. Prosegur - a luta de clas...

. Casino da Póvoa de Varzim...

. Agrupamento de Escolas de...

. Bairros do IHRU de Guimar...

. STCP – Eutanásia empresar...

. Valadares - épreciso ganh...

. Transportes: resistência ...

. Não ao isolamento de Vila...

. A habitual falta de vergo...

. O desejo que tudo se esqu...

. A greve geral é parte ínt...

. SINDICALIZA-TE

. Carta aberta ao president...

. Casa do Povo de Recarei (...

. A demolição da escola pri...

. A novela das portagens da...

. Contra o pagamento de por...

. Vila d'Este - autarquias ...

. A intransigência habitual...

. Maconde: os restos...

. A intransigência habitual...

. SCUT's: a intransigência ...

. Pequenas coisas, uma gran...

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.mais sobre mim

.assuntos

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds