PARTICIPA! ENVIA AS TUAS DENÚNCIAS PARA porto@pctpmrpp.org
Quinta-feira, 3 de Setembro de 2009

Um novo "parque da cidade", ou seja, um novo negócio ruinoso para Câmara M. do Porto e seus munícipes

Da Direcção da Associação de Promoção Social da População do Bairro do Aleixo recebemos o seguinte comunicado aos órgãos de comunicação social, emitido no dia 2 de Setembro perante a notícia publicada no Jornal de Notícias, na edição do mesmo dia, com o título «Futuro do Aleixo decidido este mês», que transcrevemos na íntegra:

 

 

 

 

 

COMUNICADO

 

TERRENOS DO PARQUE DA CIDADE PARTE 2
Como oportunamente informámos o Executivo autárquico e os órgãos de informação, a adjudicação dos terrenos do Aleixo ao consórcio liderado pelo grupo BES, representará para a Câmara Municipal do Porto um prejuízo somente comparável ao sucedido com os terrenos do Parque da Cidade.

 

A teimosia de Rui Rio em avançar com este processo, ao arrepio da informação prestada oficialmente pelo próprio legislador – o Governo Português – que considera que: «(…) a preconizada demolição dos imóveis [bairro do Aleixo] não se integra no conceito de acção de reabilitação para os efeitos da aplicação dos benefícios fiscais previstos no novo artigo 71.º do Estatuto dos Benefícios Fiscais.» obrigará o próximo executivo autárquico a pagar avultadas indemnizações ao grupo BES, caso haja a referida adjudicação, pois o pressuposto do negócio – os incentivos fiscais – e a constituição do Fundo de Investimento Imobiliário não se concretizará.

 

A Câmara Municipal do Porto, apenas por teimosia do seu Presidente, arrisca-se a entrar num buraco tão fundo como aquele que se meteu com os terrenos do Parque da Cidade.
A prudência aconselha que esta decisão seja tomada pelo próximo executivo, mas a arrogância e os tiques autoritários impedem o edil portuense de adiar esta questão, o que arrastará o Porto para um enorme problema.
De facto, se Rui Rio avançar, os moradores do Aleixo voltarão a Tribunal, agora com o argumento reforçado do próprio legislador: a demolição do Aleixo não se integra no conceito de reabilitação urbana.
A luta dos moradores vai continuar, e tudo faremos para garantir que os nossos direitos sejam respeitados. Afinal, é apenas isso que desejamos, que num pais democrática, numa cidade plural, o Presidente da autarquia ouça a vontade dos seus moradores que neste caso são também seus inquilinos. A recusa em nos ouvir, em dialogar, demonstra o que de pior existe neste Executivo e com este Presidente.
 
Atentamente,
 
A Direcção da APSPBA
publicado por portopctp às 23:05
link do post | comentar | favorito

.ligações

.posts recentes

. Viva o 1.º de Maio!

. Aos jovens

. Soares da Costa, ousar lu...

. Mulheres: uma metade do m...

. INÉRCIA - Palavra-chave t...

. Honra aos camaradas Ribei...

. 18 de Setembro de 1970

. Prosegur - a luta de clas...

. Casino da Póvoa de Varzim...

. Agrupamento de Escolas de...

. Bairros do IHRU de Guimar...

. STCP – Eutanásia empresar...

. Valadares - épreciso ganh...

. Transportes: resistência ...

. Não ao isolamento de Vila...

. A habitual falta de vergo...

. O desejo que tudo se esqu...

. A greve geral é parte ínt...

. SINDICALIZA-TE

. Carta aberta ao president...

. Casa do Povo de Recarei (...

. A demolição da escola pri...

. A novela das portagens da...

. Contra o pagamento de por...

. Vila d'Este - autarquias ...

. A intransigência habitual...

. Maconde: os restos...

. A intransigência habitual...

. SCUT's: a intransigência ...

. Pequenas coisas, uma gran...

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.mais sobre mim

.assuntos

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds