PARTICIPA! ENVIA AS TUAS DENÚNCIAS PARA porto@pctpmrpp.org
Sexta-feira, 28 de Dezembro de 2007

STCP, é preciso dar um passo em frente

Prossegue a luta nos STCP em que o ponto mais relevante, pelo seu significado, continua a ser a exigência da não discriminação dos novos funcionários a quem a administração pretende não aplicar os direitos hoje existentes para os restantes funcionários. De certa maneira a administração pretende fazer o que outras empresas costumam fazer de outra forma: criando uma nova empresa em que as condições para os trabalhadores são piores (aumentando a taxa de exploração) e levando à falência a primeira. Simplesmente quere-o fazer sem o ónus que resulta da substituição integral dos antigos trabalhadores no aspecto particular que a ela interessa: a experiência profissional acumulada desses trabalhadores. Teremos, dessa forma, a partir das 0 horas do dia 30 até às 2h de dia 2 greve nos mesmos moldes das anteriores (os sindicatos a aconselharem a greve nas últimas duas a três horas dos turnos). Se a eficiência desta forma de greve é ilusória, ela também torna mais fácil à administração transferir para os passageiros todos seus custos: não paga salários, não contrata serviços alternativos, mas continua a receber o valor dos passes na totalidade. Portanto uma condição mínima do êxito da greve, pois pesaria nos resultados da empresa e alargaria a própria adesão à greve, seria a exigência do pagamento do tempo de greve. A outra seria a união com os passageiros cumprindo estes o papel de exigir dos STCP o cumprimento dos serviços que no início do mês adquiriram obrigando-os ao dispêndio suplementar da compra de serviços alternativos. Esta estratégia levanta outros problemas (principalmente problemas políticos) mas, certamente, faria dar um enorme passo em frente à luta dos trabalhadores (não só dos STCP). 

publicado por portopctp às 15:55
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De ganzas a 29 de Dezembro de 2007 às 21:12
tentem saber acerca dos processos instaurados a trabalhadores da transdev no metro para despedimento com justa causa por terem feito greve abraço a vamos em frente companheiros ha que fazer barulho para a opiniao publica saber o que se passa
De portopctp a 2 de Janeiro de 2008 às 00:13
Sem dúvida preocupante a situação a qual necessita de toda a atenção. É uma encruzilhada da qual depende, consoante a atitude, o futuro dos trabalhadores sujeitos dos processos mas também da posição de maior ou menor força do conjunto dos trabalhadores.

Comentar post

.ligações

.posts recentes

. Viva o 1.º de Maio!

. Aos jovens

. Soares da Costa, ousar lu...

. Mulheres: uma metade do m...

. INÉRCIA - Palavra-chave t...

. Honra aos camaradas Ribei...

. 18 de Setembro de 1970

. Prosegur - a luta de clas...

. Casino da Póvoa de Varzim...

. Agrupamento de Escolas de...

. Bairros do IHRU de Guimar...

. STCP – Eutanásia empresar...

. Valadares - épreciso ganh...

. Transportes: resistência ...

. Não ao isolamento de Vila...

. A habitual falta de vergo...

. O desejo que tudo se esqu...

. A greve geral é parte ínt...

. SINDICALIZA-TE

. Carta aberta ao president...

. Casa do Povo de Recarei (...

. A demolição da escola pri...

. A novela das portagens da...

. Contra o pagamento de por...

. Vila d'Este - autarquias ...

. A intransigência habitual...

. Maconde: os restos...

. A intransigência habitual...

. SCUT's: a intransigência ...

. Pequenas coisas, uma gran...

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.mais sobre mim

.assuntos

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds