PARTICIPA! ENVIA AS TUAS DENÚNCIAS PARA porto@pctpmrpp.org
Sábado, 15 de Dezembro de 2007

Os SASUP servem para financiar quem?

As aulas na universidade do Porto começaram, para a maioria dos estudantes, em Setembro. Estamos já a meio de Dezembro e apenas cerca de metade dos estudantes com direito a bolsa recebeu na semana passada dois(Setembro e Outubro)dos quatro meses que já devia ter recebido. Os restantes, nada. Diz-se que vai ser na próxima semana que igual sorte (receber dois meses) vão ter.

Parece que, para os SASUP (serviços de acção social da universidade do Porto), tal facto não é preocupante, possivelmente porque deduziram da ausência de um forte movimento contestatário dos estudantes que estes se conseguem aguentar sem bolsa e, concerteza, não precisarão dela. Deve ser por isso que só nos finais de Novembro (quando as candidaturas foram feitas este ano um mês mais cedo, cremos que em Março, para adiantar serviço) tornaram pública uma lista em que uma parte substancial dos pedidos ainda se encontravam "em estudo" e para outra grande parte inventaram falta de documentos. Dizemos inventaram porque foi o que realmente aconteceu: novas declarações das finanças sobre as propriedades para aqueles que não têm casa própria, declarações da direcção de viação para aqueles que não têm viatura e, entre muitas outras, se calhar até declarações da aeronáutica civil para aqueles que não têm aviões ou declarações de cada habitante da freguesia a comprovar (reconhecido pelo notário) que, nos últimos cinco anos, nada comprou a membros do agregado familiar do estudante que trabalhem por conta d'outrem (não vá acontecer que, após o serviço tenha algum negócio escondido). É exagero? Claro. Mas a via de pensamento dos SASUP é essa, principalmente quando está em questão estudante com particulares dificuldades.

Estarão escaldados por abusos? Pode ser: todos sabemos que algumas bolsas, por vezes as maiores, são para os "alfinetes" e "amendoins" de estudantes sem escrúpulos e bem endinheirados. Mas se é isso, cacem-nos, não acossem, a esse pretexto, os estudantes pobres. E bem sabem que essa situação decorre não só da ineficiência do próprio estado como das prerrogativas próprias de gerentes e proprietários (outorgadas,aliás, pelo próprio estado). Aí poderão encontrar um alvo.

Com tudo isto, mesmo assim, permanece completamente injustificável o atraso de quatro meses, tanto que existe o pressuposto de: quem obtiver a atribuição de um valor de bolsa a que não tenha direito, não só é obrigado a repor o dinheiro indevidamente recebido como está sujeito a acção criminal. Portanto, se os SASUP desconfiarem de alguma coisa, podem, mesmo após a atribuição das bolsas, confirmando as suas suspeitas, não só retirar a bolsa aos prevaricadores como persegui-los judicialmente, ou seja, têm a possibilidade de actuarem em tempo sem nada perderem.

Se o que foi escrito não fosse o suficiente, ainda teríamos mais um argumento: este ano as receitas fiscais ultrapassaram as expectativas orçamentais de tal forma que servem para "adiantar um ano" os objectvos do défice. Não há falta de dinheiro, há é alguma força mais importante do que afirmação mil vezes repetida por ministros e capangas de que "não haveria um só estudante que seja impedido de estudar por razões económicas". Bons serviços sociais que iríamos ter, prometiam eles nessas alturas (quando iniciaram o processo, ainda não terminado, do aumento do valor das propinas).

Olhando para o contexto e para os números, trata-se objectivamente de uma "ajudinha" aos bancos: endividar estudantes para no futuro lhes ficarem nas mãos, devedores e agradecidos (a tal história dos empréstimos para estudantes anunciados há pouco com tanto foguetório). E, talvez, se trate de um balão de ensaio, cuja experiência sirva para alargar futuramente o processo a outras universidades e reduzir drastica e generalizadamente o apoio social a estudantes carenciados. Quem não é lobo que não lhe vista a pele!

Mas os lobos também se caçam porque os estudantes aprenderão e levantar-se-ão.

E já começa a tardar!

LEVANTAI-VOS !!

FAZEI JUS À HISTÓRIA DO MOVIMENTO ESTUDANTIL!

publicado por portopctp às 17:15
link do post | comentar | favorito

.ligações

.posts recentes

. Viva o 1.º de Maio!

. Aos jovens

. Soares da Costa, ousar lu...

. Mulheres: uma metade do m...

. INÉRCIA - Palavra-chave t...

. Honra aos camaradas Ribei...

. 18 de Setembro de 1970

. Prosegur - a luta de clas...

. Casino da Póvoa de Varzim...

. Agrupamento de Escolas de...

. Bairros do IHRU de Guimar...

. STCP – Eutanásia empresar...

. Valadares - épreciso ganh...

. Transportes: resistência ...

. Não ao isolamento de Vila...

. A habitual falta de vergo...

. O desejo que tudo se esqu...

. A greve geral é parte ínt...

. SINDICALIZA-TE

. Carta aberta ao president...

. Casa do Povo de Recarei (...

. A demolição da escola pri...

. A novela das portagens da...

. Contra o pagamento de por...

. Vila d'Este - autarquias ...

. A intransigência habitual...

. Maconde: os restos...

. A intransigência habitual...

. SCUT's: a intransigência ...

. Pequenas coisas, uma gran...

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.mais sobre mim

.assuntos

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds