PARTICIPA! ENVIA AS TUAS DENÚNCIAS PARA porto@pctpmrpp.org
Sábado, 10 de Novembro de 2007

Esmoriz protesta

Quando o ministro das finanças decidiu, pela Portaria n.º 1413/2007 publicada em 30 de Outubro, encerrar a repartição de finanças de Esmoriz  não foi com a intenção de deixar de cobrar impostos aos esmorizenses, o que os deixaria felizes, foi antes para que uma parte maior dos custos da cobrança de impostos recaísse exactamente sobre os mesmos: para o ministro, é melhor que os contribuintes de Esmoriz e freguesias em redor arquem com os custos das deslocações (em tempo e dinheiro) a Ovar sempre que necessitem de resolver qualquer problema, quando bem se sabe, neste tempo de rebusca de impostos, quantos erros a administração fiscal tem cometido obrigando muitos contribuintes a frequentes deslocações às repartições para resolver os problemas criados por esses mesmos erros. Na contabilidade final do país, não do estado mas do país, o resultado é um enorme desperdídio de meios: o tempo e os consumos a mais dos contribuintes não são compensados, de forma alguma, pela disponibilização de instalações e pela eventual maior eficiência dos funcionários concentrados em Ovar (aparentemente nem sequer há diminuição de funcionários do quadro, pois passariam de 18 em Ovar mais 16 em Esmoriz para 34 somente em Ovar) ; mas isso não conta nem para o ministro, nem para o governo, o que lhes interessa é a contabilidade do estado e uma aparência de eficiência do mesmo. Pelos vistos, parece até que contam cobrar mais uns tostões no IPP e no IVA, função do maior consumo de combustíveis, de desgaste de viaturas e de número de viagens em transporte público que o maior número de deslocações inevitavelmente obriga. No meio surge uma promessa da abertura de uma loja do cidadão com a valência da repartição de finanças, mas sem data e não evitando, enquanto não abre, o que atrás foi descrito.

Se até agora os protestos têm sido institucionais, decerto, num futuro breve, alargar-se-ão à generalidade do povo.

 

publicado por portopctp às 23:28
link do post | comentar | favorito

.ligações

.posts recentes

. Viva o 1.º de Maio!

. Aos jovens

. Soares da Costa, ousar lu...

. Mulheres: uma metade do m...

. INÉRCIA - Palavra-chave t...

. Honra aos camaradas Ribei...

. 18 de Setembro de 1970

. Prosegur - a luta de clas...

. Casino da Póvoa de Varzim...

. Agrupamento de Escolas de...

. Bairros do IHRU de Guimar...

. STCP – Eutanásia empresar...

. Valadares - épreciso ganh...

. Transportes: resistência ...

. Não ao isolamento de Vila...

. A habitual falta de vergo...

. O desejo que tudo se esqu...

. A greve geral é parte ínt...

. SINDICALIZA-TE

. Carta aberta ao president...

. Casa do Povo de Recarei (...

. A demolição da escola pri...

. A novela das portagens da...

. Contra o pagamento de por...

. Vila d'Este - autarquias ...

. A intransigência habitual...

. Maconde: os restos...

. A intransigência habitual...

. SCUT's: a intransigência ...

. Pequenas coisas, uma gran...

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.mais sobre mim

.assuntos

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds