PARTICIPA! ENVIA AS TUAS DENÚNCIAS PARA porto@pctpmrpp.org
Quinta-feira, 19 de Outubro de 2006

Rivoli

Não é ainda completamente claro o que vai acontecer aos manifestantes do teatro Rivoli. Mas nada de bom será. A proibição da entrada dos trabalhadores por parte da direcção, foi o primeiro indício. Depois a "deslocalização", sem problemas, para o Casa da Música de um espectáculo programado para a sala principal. A seguir o corte da água e da electricidade, aplicado como castigo. Finalmente a bênção da ministra da cultura à intervenção policial com a reclassificação de "ilegal" que fez do que chamou ocupação. Convem referir que em vez de "ocupação" se tratou antes de um sequestro dos manifestantes, pois quem mandou fechar o teatro com os manifestantes lá dentro foi a c.m. do Porto através do produtor da Culturporto.  

As reivindicações dos manifestantes, membros do Teatro Plástico e espectadores, são simples: que o Rivoli não seja gerido em função da rentabilidade, que todas as companhias tenham acesso ao espaço e que a nova gestão pugne pela formação de públicos. Nada de mais, pois que se trata de um teatro municipal. Mas muito para a c.m. do Porto para quem actividade cultural é desperdício. Por isso quer privatizar a sua gestão. Nem sequer era isso que os manifestantes punham em causa. Apenas o caderno de encargos e/ou os critérios de selecção de candidatos.

Veremos o que os tribunais decidirão. De qualquer forma os manifestantes terão sempre o nosso apoio.


publicado por portopctp às 19:01
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Sindicato Vermelho a 23 de Outubro de 2006 às 10:40
Grandes homens, grandes mulheres.
Os actores que se mantiveram fechados no Rivoli, foram acima de tudo...MESTRES, pois deram-nos uma valente lição: lembraram-nos que não basta falar, sendo preciso agir. Cabe a cada um de nós, agir no seu posto de trabalho, na sua colectividade, nas juntas de freguesia, nas câmaras municipais, etc , etc .
Não podemos estar à espera por exemplo, que se faça uma lei que nos permita cortar uma estrada, simplesmente devemos cortá-la se assim acharmos que deve ser; não podemos estar à espera que "os outros" se movam por nós, porque "os outros" são os burguêses, os outros são "quem tem", "os outros" estão do lado do capital, "os outros"...SÃO NOSSOS INIMIGOS".
VIVA A REVOLUÇÃO

Comentar post

.ligações

.posts recentes

. Viva o 1.º de Maio!

. Aos jovens

. Soares da Costa, ousar lu...

. Mulheres: uma metade do m...

. INÉRCIA - Palavra-chave t...

. Honra aos camaradas Ribei...

. 18 de Setembro de 1970

. Prosegur - a luta de clas...

. Casino da Póvoa de Varzim...

. Agrupamento de Escolas de...

. Bairros do IHRU de Guimar...

. STCP – Eutanásia empresar...

. Valadares - épreciso ganh...

. Transportes: resistência ...

. Não ao isolamento de Vila...

. A habitual falta de vergo...

. O desejo que tudo se esqu...

. A greve geral é parte ínt...

. SINDICALIZA-TE

. Carta aberta ao president...

. Casa do Povo de Recarei (...

. A demolição da escola pri...

. A novela das portagens da...

. Contra o pagamento de por...

. Vila d'Este - autarquias ...

. A intransigência habitual...

. Maconde: os restos...

. A intransigência habitual...

. SCUT's: a intransigência ...

. Pequenas coisas, uma gran...

.Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.pesquisar

 

.mais sobre mim

.assuntos

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds